O leite materno é tudo que uma criança precisa

Amamentar é a melhor maneira de garantir que seu bebê cresça forte e com saúde.

Marcela Borges

Enfermeira, mestre em Saúde Pública

5 artigos


2 de agosto de 2019

O leite materno é importante para o crescimento e desenvolvimento da criança.É o mais completo que existe e traz benefícios para a vida toda.

A Semana Mundial da Amamentação, comemorada anualmente em mais de 150 países, conscientiza a população sobre os benefícios da amamentação para a saúde da mulher e da criança.

E sabe por que o leite materno é tudo o que uma criança precisa?

Porque ele já está pronto, na temperatura ideal, não custa nada e é rico nutricionalmente. Simples assim!

Além disso tudo, ele é de mais fácil digestão do que qualquer outro leite e funciona como uma vacina (mas lembre-se não substitui as vacinas do calendário 😉), pois é rico em anticorpos, protegendo a criança de muitas doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias.

Mas, sobretudo, amamentar é muito mais que nutrir o seu bebê, é a mais sábia estratégia natural de vínculo, afeto e proteção! ❤

E essa interação entre mãe e filho, traz repercussões no estado nutricional da criança, em sua habilidade de se defender contra infecções e contribui com o desenvolvimento cognitivo e emocional. 

Amamentar traz inúmeros benefícios

  • Protege contra o câncer de mama, ovário e útero;
  • Evita nova gravidez nos primeiros 6 meses após o parto, desde que o aleitamento materno seja exclusivo e a mãe não tenha menstruado;
  • Protege contra depressão pós parto, obesidade, e outras doenças como hipertensão e colesterol elevado;
  • Diminui os custos financeiros que seriam gastos com fórmulas, mamadeiras;
  • Favorece o vinculo afetivo mãe e filho; 
  • Melhora qualidade de vida da mãe uma vez que a criança amamentada adoece menos. E quando mãe e criança estão felizes isso repercute nas relações familiares.

E quais são os benefícios do leite materno?

  • Capaz de reduzir em 13% a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de 5 anos;
  • Amamentação na primeira hora de vida pode ser um fator de proteção contra morte neonatal;
  • Protege a criança de doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias;
  • Reduz risco de desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes, sobrepeso e obesidade na vida adulta;
  • Contribui para um melhor desenvolvimento cognitivo;
  • Melhora o desenvolvimento da cavidade bucal,  sugar o peito é um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança, ajuda a ter dentes bonitos, desenvolver a fala e a ter uma boa respiração;
  • Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) e Unicef
    (United Nations Children’s Fund, em português “Fundo das Nações Unidas para a Infância”), cerca de 6 milhões de crianças são salvas a cada ano com o aumento das taxas de amamentação exclusiva até o 6o mês de vida.

Mas, apesar de todas evidências cientificas provarem que o leite materno é tudo que uma criança precisa, além de ser superior se comparado as outras espécies de leites, as taxas de aleitamento materno no Brasil, em especial aleitamento exclusivo, ainda estão aquém do recomendado.

E até quando as mães devem amamentar?

Bom, o recomendando é que as mães amamentem até os dois anos ou mais da criança. E de forma exclusiva até, o sexto mês do bebê.

Após o sexto mês, a mãe começa a transição alimentar oferecendo frutas e papas e segue com a amamentação continuada até os dois anos de idade ou mais.

Mas o que é aleitamento exclusivo?

É quando a criança recebe apenas leite materno (direto da mama, ordenhado ou de banco de leite materno) sem outros líquidos e sólidos, exceto medicações e suplementos minerais.

O leite materno é um alimento completo. Rico em gordura, água, enzimas, açúcar, ferro, sais, vitaminas, proteínas, anticorpos.

Isso significa que, até o sexto mês, o bebê não precisa de nenhum outro alimento (chá, suco, água ou outro leite)!

A introdução precoce dos alimentos (antes sexto mês) podem levar a diarréia, hospitalizações por doenças respiratórias, aumento do risco de desnutrição (se os alimentos oferecidos forem nutricionalmente inferiores ao leite materno), menor eficácia da lactação como método anticoncepcional e menor duração da amamentação.

Fonte: Blog da Saúde

10 passos para o sucesso do aleitamento materno

E aqui vão 10 dicas para as mamães terem sucesso na hora de amamentar seus filhotinhos 👶

Passo 1 – Fuja dos mitos! Busque orientações de fontes confiáveis

Existem muitos mitos relacionados ao assunto, tais como: “seu leite é fraco!”. Não existe leite fraco! Todo leite materno é ideal para o bebê!

Ou “sua mama é pequena, você não terá leite!”. O seio não é reservatório de leite, ok? Ele desce conforme estímulo.

Muitas ouvem: “o bebê está chorando de fome!”. Atenção mamães: crianças choram por diferentes motivos e não só por fome!

Passo 2 – Inicie o aleitamento materno logo após o nascimento

Deixe seu bebê em contato com a sua pele! Prontamente, ele mostrará sinais de que está querendo mamar. É incrível!!!

Passo 3 – Tenha calma!

Os primeiros dias são fundamentais para o sucesso, porém é um período de intenso aprendizado para a mãe e o bebê. Por isso, tenha calma e não se culpe se no início as coisas parecerem não funcionar.

Passo 4 – Amamente por livre demanda

Ou seja, amamente sem restrições de horários e tempo de permanência da criança na mama.

Passo 5 – Posicione o bebê corretamente para a pega correta.

Com roupa confortável, que não restrinja os movimentos, posicione o bebê barriga com barriga (barriga da mãe com a do bebê), pescoço do bebê alinhado com o próprio corpo, queixo e nariz encostado no seio, sem obstruir a respiração da criança.

Já os lábios devem permanecer virados para fora, tipo “boquinha de peixe”, pegando grande parte da aréola e não apenas o mamilo.

Você vai ver que a bochecha de bebê vai encher quando ele sugar. 😍😍

A pega correta evita fissuras nas mamas e aumenta o estímulo de produção do leite!

Passo 6 – Leite, somente leite

Não ofereça para a criança bebidas ou alimentos até os seis primeiros meses.

Passo 7 – Não substitua os seios!

Não ofereça bicos artificiais ou chupetas.

Passo 8 – Se alimente bem

Alimentação da mãe deve ser variada e saudável com um consumo de 500 calorias extras, amamentar requer muita energia!

Fonte: Blog da Saúde

Passo 9 – Crie alternativas

Aprenda como amamentar e manter a lactação caso precise ficar separada do bebê (ordenha e armazenamento do leite). O leite pode ser oferecido no copinho.

Passo 10 – Busque ajuda!

Se tiver dificuldades com aleitamento materno, busque ajuda! Bancos de leite tem profissionais preparados para ajudar e é um serviço gratuito.

Eles ensinam como posicionar para pega correta, fazer ordenha, posições diferentes do bebê para evitar fissuras, translactação (oferecer leite materno na sondinha para complementar calorias em caso de pouco ganho de peso, ou para estimulo de descida do leite).

Outro profissional que também tem serviço de ajuda para as mamãe são os bombeiros. Além desses, busque o pediatra, a obstetra e apoio familiar.

Viva a maternidade e a beleza desta relação entre mãe e filho!

Este post de ajudou? Então compartilha com outras mulheres!

Voltar