Ansiedade em tempos de coronavírus

O transtorno de ansiedade tem crescido durante a pandemia do coronavirus. Veja o que fazer para não ficar obcecado com a doença e prejudicar a saúde mental!

Colunistas

20 artigos


13 de julho de 2020

Os problemas de saúde mental – depressão, estresse e ansiedade – aumentaram de forma preocupante neste momento de pandemia.

Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), os casos de depressão no Brasil quase dobraram e os de estresse e ansiedade aumentaram em 80%.

Neste artigo, vamos nos concentrar em como lidar com a ansiedade, que é um dos problemas de saúde mental que tem crescido durante a pandemia.

Bom, mas antes de entendermos o problema, é importante diferenciar duas questões:

Preocupação X Ansiedade

É preciso diferenciar uma inquietação momentânea, por alguma situação em particular, de uma preocupação intensa e persistente, que ultrapassa os limites da normalidade.

E quais são esses limites? Trazendo para o momento atual, podemos destacar:

  • Consumo exagerado de informações sobre a Covid-19;
  • Antecipação de alguma condição problemática (perda de emprego, pagamento de dívidas, etc);
  • Angústia e medo excessivo do contágio pessoal ou de algum membro da família.

Embora o medo exista, é possível assumir a situação de forma saudável, aprendendo como lidar com ele, não permitindo que este sentimento roube o prazer da vida.

Mas quando as preocupações tiram a vontade de sorrir; fazem perder a motivação por coisas novas; trazem um cansaço excessivo sem justificativa; claramente estamos frente a um quadro de transtorno de ansiedade.

mulher negra usando máscara com as mãos na cabeça
Casos de ansiedade durante a pandemia aumentaram em mais de 80%

A ansiedade na pandemia

O transtorno de ansiedade é a preocupação excessiva, intensa, persistente. Trazendo para o momento atual, é quando o medo exacerbado de contrair a Covid-19 ou das suas consequências, leva o indivíduo a ficar obcecado sobre o tema.

Uma característica das pessoas que estão obcecadas com a doença é que, além de ocupar sua mente excessivamente em pensar no assunto, também gastam muito tempo buscando informações sobre a doença.

Obviamente, o problema não está em querer cuidar da saúde, buscando se informar, tomando todos os cuidados para a prevenção do coronavírus e seguindo as recomendações de isolamento social, por exemplo.

Mas quando a preocupação quanto ao coronavírus e seus impactos é obsessiva, a saúde da mente fica comprometida.

Além da persistente preocupação, essas pessoas começam a apresentar dificuldade para dormir, nível de estresse elevado, humor desregulado, compulsão alimentar, entre outros sintomas.


Como lidar com a ansiedade exagerada?

O que fazer então?

É importante detectar quando a preocupação por esta doença está afetando a qualidade de vida. No caso, a qualidade do “novo normal” instituído pela quarentena e isolamento social.

Sendo assim, é preciso se reorganizar para que, mesmo imerso em uma nova forma de vida cotidiana, a preocupação com o futuro e as consequências sociais e financeiras não paralise a vida.

Ou seja, que o medo do contágio não te impeça de sair para fazer compras sem temer tudo a sua volta, por exemplo. Prevenção sim, pavor não!

Então, se tiver que sair, siga as recomendações de segurança e lave as mãos corretamente. Não permita que viver se torne uma patologia!

Agora, se está impossível controlar os pensamentos ruins que frequentemente giram em torno da pandemia e suas terríveis conseqüências, procure ajuda profissional, um ouvido amigo!

Além disso, converse com pessoas da sua confiança, conte o que está sentindo. Busque também conforto por meio da oração.

Não está fácil para ninguém passar pela pandemia. Mas não permita que o medo e a ansiedade te paralisem. Faça sua parte, se cuide, converse com pessoas que possam te ajudar a passar por este momento e confie em Deus!

Dra. Evangelina Melgar, psiquiatra no serviço de Bem-estar Mental, Sanatorio Adventista del Plata

Voltar